802.11ad: Wireless a 5 Gb/s usando a faixa de 60 GHz


As redes Wi-Fi se dividem entre dispositivos que utilizam a superlotada faixa dos 2.4 GHz e os que utilizam a relativamente limpa faixa dos 5 GHz. Mesmo com o 802.11n, que suporta ambas as faixas, muitos dispositivos continuam utilizando a faixa dos 2.4 GHz e, mesmo quando a escolha existe, mesmo muitos usuários esclarecidos optam por usar os 2.4 GHz em vez dos 5 GHz. Existe um motivo para isso: uma frequência mais alta faz com que o sinal perca a potência mais rapidamente, o que se não for compensado por melhores antenas e maior potência de transmissão faz com que o alcance da rede seja reduzido. Este é um problema que os fabricantes estão enfrentando no 802.11ac, que migra definitivamente para os 5 GHz: como manter o alcance da rede apesar do aumento da frequência.

Outro padrão que está chegando ao mercado é o 802.11ad (também chamado de WiGig ou “Wireless Gigabit Alliance”), que oferece taxas de transmissão de até 5 gigabits por segundo, usando uma terceira faixa disponível para o uso de dispositivos não-licenciados: a larga faixa dos 60 GHz. As altíssimas velocidades oferecidas pelo 802.11ad são possíveis devido a um engenhoso sistema de modulação baseado em comunicações ponto-a-ponto, que permite que múltiplos pares de dispositivos transmitam simultaneamente sem interferirem entre si.

Estima-se que quando produzidos em quantidade, os módulos WiGig custarão apenas alguns dólares a mais que os 802.11ac, o que permitirá que eles sejam incluídos em notebooks, NASes e outros dispositivos. A grande questão é que, diferente do que fabricantes como Wilocity querem nos convencer, o 802.11ad não é destinado a substituir as redes Wi-Fi 802.11n e 802.11ac, mas sim a complementá-las, criando “ilhas” de conectividade rápida em locais como salas, quartos e escritórios. O motivo é simples: devido à frequência utilizada, o alcance do WiGig é muito baixo (o sinal é atenuado pelo próprio oxigênio do ar) e ele não penetra bem em paredes e outros obstáculos. Em situações normais o alcance ficaria em apenas 5 a 10 metros no máximo, teoricamente podendo chegar a 30 metros (sem obstáculos) caso sejam usadas antenas direcionais.

Na prática isso significa que a rede só é realmente utilizável dentro de um mesmo cômodo (similar ao que temos no Bluetooth), daí a ideia das ilhas.

Os primeiros produtos com o WiGig devem chegar ainda este ano ao mercado. Entretanto, o padrão enfrentará um caminho difícil pela frente, já que notebooks, tablets, TVs e outros dispositivos precisarão trazer também transmissores 802.11ac ou 802.11n, resultando em um aumento considerável no preço. O sucesso ou fracasso do padrão dependerá de se os consumidores estarão ou não dispostos a pagar a diferença.

Fonte: Hardware.com.br

Conte-nos o que achou...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: